quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Salone del Gusto e Terra Madre 2012



Pois é, está chegando o grande dia. No fim do mês estarei em Turim para o Salone del Gusto e Terra Madre. Para a aula de frutas ainda há vagas, mas para a de mandioca, não mais. Teremos ainda a presença de Roberta Sudbrack, lotação também esgotada. De qualquer forma, se você estiver pela Itália, dê um pulinho na feira, que é uma grande Torre de Babel.  Saiba mais no site: http://salonedelgustoterramadre.slowfood.it/ . Outros vídeos podem ser vistos aqui

Se quiser se associar ao movimento, é fácil. Clique aqui ou no link aí na barra lateral do blog.  Mas o evento estará aberto a todos. 


Nossas participações: 


Umbu, licuri, cajá, araçá, graviola, buriti, açaí, babaçu, baru, cupuaçu… Il Brasile può contare su una vasta gamma di frutti nativi derivante dalla sua grande estensione, la varietà di climi ed ecosistemi. Neide Rigo, Mara Salles e Ana Soares – rispettivamente nutrizionista e cuoche curiose ed esperte di prodotti brasiliani – vi guideranno in questo viaggio attraverso la straordinaria biodiversità brasiliana; vi mostreranno con un tocco di creatività e sensibilità che ogni parte dei frutti può essere utilizzata nell'elaborazione di piatti tradizionali e innovativi che saranno quindi degustati in abbinamento a succhi e caipirinhas

SOCI: € 20,00
NON SOCI: € 25,00.

POSTI DISPONIBILI PER QUESTO EVENTO ESAURITI.
Per informazioni su eventuali posti disponibili, rivolgersi durante i giorni della manifestazione presso la Reception Eventi - Pad. 5
La manioca è originaria del Sudamerica, ma si trova anche in Africa subsahariana. La sua radice è la terza maggiore fonte di carboidrati per l'alimentazione della popolazione tropicale. Guidati da Joselito Motta e Neide Rigo, esperti che ve ne descriveranno storia ed evoluzione, imparerete a conoscerne la versatilità (dalla tapioca al tucupì) e ad apprezzarla nei suoi impieghi in cucina grazie a Eduardo Martinez del Mini-Mal di Bogotà (Colombia), e alcuni produttori di farina e dei suoi trasformati di diverse regioni del Brasile.

SOCI: € 16,00
NON SOCI: € 20,00

POSTI DISPONIBILI PER QUESTO EVENTO ESAURITI.
Per informazioni su eventuali posti disponibili, rivolgersi durante i giorni della manifestazione presso la Reception Eventi - Pad. 5
Roberta Sudbrack rappresenta la cucina moderna brasileira. A Rio de Janeiro, il suo ristorante – aperto dopo essere stata executive chef delle cucine del presidente Cardoso – è diventato meta irrinunciabile dei gourmet. Lo stile dei piatti è sintesi di classico e moderno, con grande tecnica e cotture rigorose e molta ricerca sul patrimonio gastronomico del Brasile. Vi delizierà con due preparazioni, frutto della collaborazione con le comunità del cibo brasiliane. In abbinamento, i vini del Consorzio per la tutela del Lugana di Peschiera del Garda (Vr).

SOCI: € 20,00
NON SOCI: € 25,00


Cíntia escreveu hoje no Caderno Paladar do Estadão (só corrigindo, Beto Pimentel não vai mais. Estarei junto com as eternas companheiras Mara Salles e Ana Soares):  

Brasil leva artilharia pesada ao Slow Food de Turim

CÍNTIA BERTOLINO, ESPECIAL PARA O ESTADO, TURIM, ITÁLIA - O Estado de S.Paulo

Pela primeira vez, o movimento Slow Food reúne seus dois principais eventos, Salone del Gusto e Terra Madre. Serão cinco dias de programação - de 25 a 29 de outubro, no Lingotto Fiere em Turim - com cerca de 200 atividades, entre workshops, jantares, degustações e conferências.
Além dos pavilhões dedicados à culinária italiana, haverá um mercado com produtos de mais de cem países e atrações como a que reconstrói a rota da seda, do Cáucaso à Ásia Central, e a piazza da pizza, onde 20 pizzaiolos preparam diferentes versões. Entre os destaques, degustação de aceto balsâmico comandada por Massimo Bottura, degustação de Barolos de grandes produtores e oficinas de Fulvio Pierangelini e Davide Scabin.
Criado em 1996, o evento bienal teve um público de 180 mil pessoas em 2010. Desta vez, o Brasil levará uma delegação com quase 70 pessoas. Ao todo oito Fortalezas, projeto do Slow Food para proteger e divulgar produtos e métodos de preparo, estarão presentes.
Os visitantes poderão conhecer o umbu, a castanha de baru, o arroz vermelho do Vale do Piancó, o pinhão da serra catarinense, o palmito juçara, néctar (mel) de abelhas nativas, o guaraná sateré-maué e o licuri. O coquinho da caatinga baiana, que já foi capa do Paladar, é o mais novo produto brasileiro da Fortaleza Slow Food.
Os chefs Roberta Sudbrack e Beto Pimentel, do Paraíso Tropical, em Salvador, comandam oficinas. Ela prepara dois pratos e Beto fala de frutas como cajá, araçá, graviola, cupuaçu, buriti. Neide Rigo, colunista do Paladar, e o especialista colombiano Eduardo Martínez vão da farinha à tapioca, passando pelo tucupi na oficina Mil Maneiras de Dizer Mandioca. Diante de mais de uma centena de workshops e degustações é difícil escolher o que ver (e provar). Confira a programação completa no endereço: www.salonedelgusto.it.
Veja também entrevista da Cíntia Bertolino com Paolo di Croce, do Slow Food, publicada hoje no blog do Paladar


Por Cintia Bertolino


Organizar um evento como o Salone del Gusto requer paciência, uma certa teimosia e muito jogo de cintura. Levar até Turim, gente de mais de 100 países e produtos artesanais, vindos de locais e produtores sem regulamentação, caso do mel de abelhas nativas, da farinha de mandioca feita na casa tradicional casa de farinha, para citar apenas dois casos brasileiros, exige uma logística imensa. Paolo di Croce, Secretário Geral do Slow Food Internacional, falou ao Paladar sobre a logística e os bastidores do Salone del Gusto.
Como você descreveria o Salone del Gusto?
A ideia do Salone del Gusto é aproximar o consumidor do produtor empenhado em criar um alimento bom, limpo e justo. Quando trazemos agricultores, pescadores, vinhateiros, queijeiros e outros artesãos de mais de 100 países queremos mostrar que alimentos bons existem no mundo todo.
Qual a diferença para uma feira gastronômica?
O Salone é mais que um evento gastronômico. É um acontecimento cultural. Ao promover o encontro entre o produtor e o consumidor é possível conhecer mais a respeito do alimento, mas não só. Aprende-se sobre o modo de vida das pessoas. É também um evento político, pois incentivamos os freqüentadores a pensar sobre o alimento e a questionar sua qualidade, a forma como é cultivado.
Este ano o Salone terá produtores vindos de mais de 100 países. Como esses produtos entram na União Europeia?
Trazer alimentos de tantas partes do mundo para Turim é de uma complexidade imensa. Há uma série de leis e regras que temos de seguir. Muitos produtos não são registrados em seus próprios países o que dificulta ainda mais.
Como proceder nestes casos?
Contamos com a colaboração do Ministério da Saúde da Itália. Antes do evento, trazemos amostras dos produtos e todos eles são analisados para que não haja problema na importação.
Além dos produtos, como garantir que ninguém seja barrado ao chegar à Europa?
Essa é outra questão delicada, mas felizmente contamos com o apoio do Ministério das Relações Exteriores. Temos cerca de mil vistos aprovados para produtores que vêm da África, da Ásia e da América Latina.
Turim e várias cidades do Piemonte se mobilizam para hospedar os convidados do Salone. Como funciona esse modelo?
Este tipo de hospedagem começou em 2004 e tem sido um sucesso. Turim e quase uma centena de pequenas cidades vizinhas se organizam com um cadastro. Cada família participante (este ano são 500) se dispõe a hospedar um convidado.
Como organizar a convivência de pessoas de línguas e culturas tão diversas?
Apesar das dificuldades de comunicação – imagine uma família em uma cidade minúscula recebendo um agricultor de Burkina Faso, por exemplo -, é incrível notar como as pessoas interessadas em compartilhar experiências e culturas conseguem se entender.

3 comentários:

Margot disse...

To com o coracao apertado...Vai fazer muito bonito, Neide! Bj grande

Neide Rigo disse...

Margot,
não vai mesmo?? Seria tão bom nos encontrarmos lá. bjs,n

Mary Valeriano disse...

A aula sobre frutas vou perder, mas para a mandioca estrarei la na primeira fila.