sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Caju na cidade de São Paulo



No aniversário de São Paulo li sobre os cajus no blog do Dória, nas palavras de 1587 escritas por Gabriel Soares de Sousa. E pensei nos poucos cajueiros que conheço do meu bairro, City Lapa. Ano a ano observo suas flores miúdas e rosadas que despontam no fim da primavera, que atraem centenas de abelhas, talvez até as minhas jataís, e que depois melam com as chuvas de verão para cairem todas em seguida. Mais alguns meses e folhas vermelhas surgem e logo vêm as flores que melam, murcham e caem. E o ciclo assim se faz sem nunca vingarem frutos.

Mas, ontem, resolvi voltar do curso a pé, sob chuva forte, quando as árvores ficam ainda mais bonitas e limpas, e,  como que por magia por ter pensado neles, avisto o pequeno arbusto carregado de cajus em formação, vingadinhos, já no ponto de maturi. A vontade era ficar ali pajeando, fotografando e pintando aquarelas até a chuva passar, até que a perinha crescesse mais que a castanha, ficasse suculenta, vermelha, doce, perfumada. E nhac! No mesmo dia, à tarde, quando andava com a Dendê, arrastei-a à força sobre o mato molhado de uma outra praça para conferir se naquele outro cajueiro também vingaram cajuzinhos. Qual nada, tudo igual, ano após ano. Restos de flores murchas era o que havia.

Em São Paulo não há caju porque não é seca e quente o suficiente, já tinha aceitado isto como verdade. E agora me ponho a pensar: o que terá acontecido àquele pequeno cajueiro que, assim, do nada, resolveu perpetuar a espécie mesmo em condições adversas. Um mutante que vale a pena multiplicar. Espero conseguir ao menos uma semente do dito cujo, ops, dito caju.



Agora, veja como o fruto foi descrito pelo viajante holandês Johann Jacob Nieuhof:

"Nada é tão procurado entre os brasileiros como o caju, espécie de maçã selvagem que lhes proporciona ao mesmo tempo alimento e bebida, pois que é muito suculento [...]. A árvore produz um fruto duplo, que consiste em uma maçã e uma castanha. A maçã tem formato oval e é muito suculenta; sua polpa é esponjosa, cheia de caroços e de gosto picante [...]. Prepara-se a castanha torrando-a em cinza e depois quebrando-se a casca com martelo. Come-se a polpa cujo sabor é melhor que o da castanha comum e conserva-se perfeita durante vários anos. Os brasileiros gostam tanto dessa fruta, que chegam a brigar por sua causa [...]" NIEUHOF, Johann. Memorável Viagem Marítima e Terrestre ao Brasil (1640-1649). São Paulo, Martins Editora, 1942. p. 299-300


Alguém conhece outro cajueiro que dê cajus na cidade de São Paulo? Fiquei curiosa. 

11 comentários:

Anônimo disse...

Neide,
deixei um comentário no post anterior, .....
olha, meus pais moram em Osasco e o vizinho tem pé de mta coisa, ..rs..., mas nunca vi caju por lá! .......

Maria das Graças disse...

Neide, sei que o cajueiro precisa de polinização cruzada. Tive um no meu quintal que deu uma única safra com belos cajus amarelinhos. No ano seguinte a minha vizinha cortou o cajueiro dela e caju, que era bom, nunca mais.

Flora Maria disse...

Eu continuo sonhando com o dia em que existirão árvores frutíferas pelas ruas e praças...

E o cajueiro é muito bonito, serve também para decorar, não é mesmo ?

Beijo

Matoso disse...

Neide,em regioes umidas as flores ,folhas e frutos são mais atacadas pela antracnose (coletothricum sp. ) o que causa abortamento caso o fungo ataque as flores.Como agrônomo recomendo produto a base de cobre .

Anônimo disse...

Em são paulo tem bastante, eu vejo mto no centro tem arvore de caquí, abacate, perto da praça da sé mesmo tem

Criação de Sites

Neide Rigo disse...

Maria das Graças,
o engraçado é que na praça onde há dois cajueiros, nunca vi um só caju. Este com frutos deve ter encontrado seu par por trás dos muros, pois na praça onde ele está é o único.

Flora, eu também sonho!

Matoso, obrigada pela informação.

Um abraço,
N

MARIALVA CULTURAL disse...

Neide, tenho também alguns pés de caju na minha chácara aqui em Marialva, Noroeste do Paraná. Nos dois anos anteriores, eles floraram mas não deram frutos. Este ano produziram e achei que foi por conta de algumas adubações que fiz e também porque não choveu na época da florada. Mas o importante é que colhi lindos cajus amarelos que estão congelados e aguardando para serem saboreados.
Faustino

Neide Rigo disse...

Faustino,
que bom saber que tem caju aí no Paraná. Um abraço, N

Anônimo disse...

aqui na minha casa tem um pé de caju,ano passado ele florou e nao vingou minha mae adubou bastante e esse ano ele carregou de caju,eu moro em maringá paraná.

Flavio disse...

Onde que esse holandês viu caroços no caju???? O fruto do cajueiro é a castanha, não o caju propriamente dito.

Anônimo disse...

Eu tenho um pé de cajú em Atibaia, este ano colhi perto de 60 frutos; vou bemneficiar as castanhas neste final de semana 29/06/2012.
Iorlando