terça-feira, 6 de setembro de 2011

Horta na escola

Que unha feita, que nada. Os professores botaram a mão na terra

A ideia da Jane Reolo, diretora da Escola Municipal de Ensino Fundamental Antônio Prudente, era de uma conversa com os professores para que fossem motivados a trabalhar com o tema horta junto aos alunos. Como já havia terra nas telhas, o tempo estava bonito e eu levei muitas ervas do meu quintal para ensinar a tirar mudas (veja como aqui), resolvi botar a mão na terra enquanto falava. As professoras tinham unhas feitas do fim de semana, mãos bonitas e macias e então não achei que ficassem animadas a sujá-las.  Comecei eu mesma a mostrar como podemos multiplicar as plantas que temos no nosso quintal ou no vizinho e as ervas que compramos para a cozinha, além de gengibre, capim santo, cará moela, etc. Foi só uma distração enquanto falava e plantava,  e quando vi a turma toda também estava com as mãos na terra (é claro que podem usar luvas, mas eu prefiro sentir a terra).  Em pouco tempo, plantamos tudo, não deixamos espaço para as crianças. Fizemos estufinha com copo plástico em cada muda para não desidratar até que enraíze.  O combinado é que os copos sejam trocados por vidro ou garrafa pet transparente cortada.  Outro acordo é que este foi só o começo de um trabalho coletivo com os alunos para que se sintam estimulados a plantar, colher e comer, que valorizem o trabalho do produtor, que saibam um pouco mais sobre sazonalidade, alimento local etc. Como plantamos ervas perenes, elas poderão ser depois transplantadas para outras áreas verdes da escola, dando espaço para hortaliças, por exemplo. Com as ervas aromáticas os professores poderão trabalhar com oficinas do sentidos, mostrando a diferença de perfumes de cada uma com a planta in natura ou na forma de infusões.  Poderão trabalhar ainda com as ervas como tempero em preparações culinárias simples. E, nisto, se precisarem de mim, estou dentro.

A escola Antônio Prudente fica na vila Brasilândia, um bairro da periferia, onde eu nasci e me criei, por isto aceitei na hora o convite da diretora Jane, ainda mais porque é uma iniciativa independente de quem não fica apenas esperando um grande projeto ser aprovado, uma grande captação de verbas e bla bla (claro, não podemos abdicar da responsabilidade pública).  A Jane pensou e fez acontecer. Ainda que seja uma ação pequena, a gente sabe que mesmo que a terra não esteja adubada o suficiente, ainda que não haja um saco de sementes, é preciso começar a plantar nem que seja uma mudinha que vai enraizar. Suas folhas renovadas vão tornar a terra fértil, seus galhos produzirão novas mudas, suas sementes viajarão com os pássaros e o vento.... E, pronto, comecei a viajar. Mas o importante é que é preciso começar.

Acho que foi nesta hora que me distraí 



A Jane é a diretora sorridente ao lado do menino Nicolas, que  foi o repórter 


O professor de educação física ficou tão animado que retirou da terra uma
amoreira para plantar em local mais adequado
A escola tem até blog:
http://prudenteinforma.blogspot.com/
As fotos, feitas com a minha máquina, são quase todas do Nícolas, o repórter mirim (menos a que ele aparece, que foi tirada por mim).

8 comentários:

Amara disse...

Neide,

Não sei o que melhor: suas ideias ou seu modo de descrevê-las.
Sou seguidora fiel do Come-se.
Botar a mão na terra, plantar, acompanhar o crescimento, nossas crianças (e adultos também)precisam sentir isso para se tornarem pessoas melhores, cuidadoras do que resta no nosso planeta.

Tenho uma pergunta: que telhas são essas? Não consegui identificar pelas fotos, talvez porque elas não sejam vendidas por aqui (PE).
Gostei muito do canteiro elevado, ajuda quem tem problemas na coluna (ou na idade, rsrsrs).

Abração.

veronika paulics disse...

neide e jane... essa dupla foi demais! beijos.

Neide Rigo disse...

Amara,
este tipo de horta na telha foi desenvolvido na faculdade Cantareira - veja aqui: http://www.cantareira.br/website/index.php?option=com_content&view=article&id=268&Itemid=673

Veronika, mérito da Jane!

Um abraço,
N

angela disse...

Amei a disposição da horta! Assim a coluna não dói. Eu fiz uns caixões, horríveis, parecem mortos, pra eu poder mexer na terra sentada, ah.. mas assim ficou muito melhor!

angela disse...

Ah! quero saber mais sobre essa estufinha! Preciso saber mais. É pra todo tipo de muda? Tem furinhos? Onde aprendo?

Dricka disse...

Que delicia Neide, eu tento incentivar tudo o que criança que conheço a se apaixonar por plantar, por manter nem que seja um vasinho de ervas e as crianças no geral são tão receptivas que me estimulam. Trabalho lindo seu e dessas professoras(es). Tenho fé que um dia as boas ações moverão o mundo.Oremos!
Bjs

reconquistar disse...

parabens pelo blog

Amara disse...

Neide,
Grata pela resposta.
Vi as telhas e reconheci, ideia muito boa.
Aliás, a TV Cultura mostrou no 'Repórter Eco' o projeto.