quarta-feira, 2 de junho de 2010

Uma atemoia comida




Trouxe duas atemoias da banca da dona Matilde, do Mercado de São Miguel Paulista (mais duas romãs e, de brinde, duas mexericas polcãs) e foi meu lanche agora de manhã. Por curiosidade, pesei antes e depois de comida. Inteira, 515 gramas; depois de comida restaram 152 gramas de sementes e casca. Ou seja, comi 363 gramas que me renderam cerca de 350 Calorias (cada 100 gramas de polpa de atemoia fornecem 94 Calorias, se é que isto importa neste momento).
Ainda assim, não troco uma atemoia por uma porção de sorvete light (sim, eu prefiro outras coisas a sorvete). A polpa perfumada é branca, cremosa, macia, com textura fina, dividida em segmentos, com poucas sementes. O sabor lembra uma reminiscência de papaia, banana, manga, maracujá, limão e abacaxi, com consistência de sorvete, o que faz dela uma sobremesa pronta. E, claro, não preciso nem dizer, como a maioria das frutas é rica em vitaminas e pobre em gorduras.
Sobre a fruta: a atemoia (Annona squamosa x cherimolla) é um híbrido da fruta-do-conde (Anonna squamosa) com outra fruta do mesmo gênero, originária dos Andes, a cherimoia (Anonna cherimolla). O primeiro cruzamento foi feito em 1908 pelo horticultor P. J. Wester, no Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, em Miami. As frutas resultantes eram superior em qualidade à fruta-do-conde e receberam o nome de atemoya - uma combinação de ate, um velho nome mexicano para a fruta-do-conde e moya de cherimoia. Da família das Anonáceas, é parente das frutas biribás, araticuns e frutas-do-conde, nossas velhas conhecidas.

Já um século passado desde seu desenvolvimento, a atemoia está presente em várias partes do mundo, incluindo no Brasil embora ainda não seja popular por aqui (paguei R$ 6,00 cada uma). As primeiras mudas foram plantadas em Taubaté-SP, nos anos 1960, mas hoje é cultivada principalmente em São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Cada fruto, de formato cônico ou de coração, pode chegar a pesar até três quilos. E a coloração verde se mantém mesmo depois de madura, ganhando apenas uma tonalidade mais amarelada entre as proeminências que tomam toda a superfície da casca - estas, mais salientes e angulares que aqueles da fruta-do-conde.
Enquanto os gomos da fruta-do-conde se abrem quando a fruta amadurece, a casca da atemoia permanece intacta - só fica mais macia e frágil. Outra diferença é que a atemóia tem menos sementes e dura mais tempo depois de colhida.
Com sua polpa podem ser preparados os mesmos pratos que aqueles feitos com cherimoia – musses, sorvetes, recheios para tortas, salada de fruta entre outros. Eu sempre prefiro comer de colherinha direto da casca.
Antes de amadurecer deve permanecer fora da geladeira. Quando está macia, pode ir pra geladeira, de preferência embalada num guardanapo de papel e, geladinha, nhac!
Inteira e os restos não comidos

16 comentários:

Odete disse...

Gosto tanto que cheguei a sentir o cheiro. Aqui aparecem as vezes, mas sao importadas e por isso caresimas...mas nao resisto e compro. Afinal mais vale um gosto que $ no bolso...hah

bjs

Nina disse...

Hum!! Adoro atemoia e fruta do conde. Fruta do conde, aliás, é uma das frutas da minha infância, junto com jabuticaba, figo, abacate, nespera...

Anônimo disse...

Há uns anos, numa campanha de produtos brasileiros, comprei as primeiras atas da minha vida.
Mais tarde, noutro local, também por cá, as atemóias.
Tal como a Neide muito bem diz, o sabor é uma mistura deliciosa das melhores frutas.
Beijos
Manuela Soares

clau disse...

Esta é uma fruta que o Gianluca nao dispensa qdo estamos ai em SP.
E lhe agradeço pela explicaçao, ja que nao sabia o que dizer para ele, da diferença dela com a fruta do conde.
Valeu, Neide.
Bjs!

Rosa Maria disse...

oi neide,desculpe o anonimato ,me confundi (prá variar)na hora de enviar.Estou procurando o telefone do seu Osvaldo prá te mandar,quanto a feira do livro,virão autores "chef",com lançamentos,vem dar uma olhada e a gente se encontra!! beijos,Rosa

Heguiberto disse...

Neide,
Atemoia pode ser gostosa, mas na minha opinião, nessa família de frutas, não existe coisa mais maravilhosa que uma anona or 'nona' como minha minha mãe a chamava. Meu vizinho tinha um pé cujo os galhos atravessavam para nosso quintal. Todo mes de Fevereiro era uma festa em casa. Minha mãe colhia aquelas nonas enormes (p/ mais de 1 quilo) e as embrulhava no cobertor para apressar o amadurecimento. Cheirosas, deliciosas, doces, azedinhas, cheias de sementes, meio granulada próxmo à casca com a textura de pêras . Humm me deu água na boca rs.

Heguiberto

obs: tínhamos a permissão do vizinho!

Neide Rigo disse...

Odete, como pode ver, por aqui tampouco é barato. Mas é uma delícia mesmo.

Nina, quem não gosta, não?

Manuela, esta terra aqui é boa pra anonáceas.

Clau, então desejo muitas atemoias pra Gianluca.

Ah, Rosa, era você? Não tem problema comentar como anônimo - é que se não colocam o nome no final, fico sem saber. Mas já desconfiava que era você rsss. Depois me fale mais dos lançamentos. Quem sabe... Estou morrendo de saudade da pizza Zio Totó.

Um abraço, N

Anônimo disse...

Isto era a fruta favorita da minha mãe que ela provou pela primeira vez em Mindanao antes da Segunda Guerra Mundial de um das primeiras poucas árvores os americanos trouxeram às Filipinas. Não entendendo que aquele teve que enxertar a árvore para produzir frutas idênticas, poupou algumas sementes e o plantou em nosso povoado perto de Manila. As frutas de árvore tornou-se exatamente como fruta de conde mas um bom três ou quatro vezes maior com menos sementes, polpa carnuda grossa e com o mesmo sabor de fruta de conde. Quando viajo em Brasil, eu sempre pergunto-me o que cruzando grabiola com o capuazu parecer-se-ia.

Anônimo disse...

Quis dizer araticums acima em vez de capuazu.

Daniel Brazil disse...

Belo e instrutivo comentário!

Dricka disse...

Neide que caras, na feira por aqui encontramos bem mais barata. Vc comprou por quilo?
Mas concordo é maravilhosa pra se comer de colherinha.
Bjs

Eduardo Luz disse...

Espetacular a descrição organoléptica das atemóias.
Elas são adoradas pela Dé aqui em casa.
Abs.
PS - Vergonha! Nunca fomos ao Mercado de São Miguel e é aqui pertinho de casa!!

Neide Rigo disse...

Anônimo,
Imagino que qualquer combinação dentro da família das anonáceas deva ficar no mínimo muito saborosa. Araticum com graviola deve resultar num espetáculo.

Dricka, paguei 6 reais cada fruta. Também achei caro, mas como não compro toda hora...

Edu, espero que agora se anime.

Um abraço, N

Filipe disse...

EU ADORO ESTE BLOG!

nana disse...

Meeu, olha que coincidência!
http://calungacorderosa.blogspot.com/2010/06/passarinho.html

Eu sou louca por essa fruta!

lukava disse...

oi vim procurar mais sobre esta fruta e tenho que dizer que na rede walmart super BIG hoje estava em oferta por 3,87 KG,sempre é mais de 7 ou 8 .